Notícias

Home/Claudia Braune/Namorar e aproveitar a vida juntos

Namorar e aproveitar a vida juntos

Amor ou paixão, a eterna pergunta que todos tentam explicar. O mundo cheio de explicações também fica muito chato. Pessoas que leem muito e fazem muitos cursos sem aplicar na vida profissional, sem sair da frente do computador e aceitar os desafios do mundo, estão com o corpo congelado. Não existe explicação para tudo, as experiências precisam ser vividas e serão percebidas por cada pessoa de uma forma diferente. Quero falar hoje sobre união, amigos, família, parceiros, irmãos – os elos de ligação nem sempre são de sangue. Quando eu era adolescente um livro que me identifiquei muito foi – Fernão Campelo Gaivota (Richard Bach) – a ideia de que somos diferentes da nossa família original e que podemos encontrar nossos semelhantes pelo mundo a fora  é muito pertinente a esta fase da vida. Mas os elos consanguíneos existem e nunca se desfazem, eles podem ser feios, escuros , ou podemos ser mais inteligentes e ao contrario de negar,  aprender a manter distancias saudáveis e cultivar o bem querer, a gratidão e a nossa responsabilidade sobre tudo que acontece nas nossas relações. De uma forma misteriosa, estou falando sobre os elos espirituais, alguns também que desejamos, que criamos, mas por que tantas decepções?

Namorar e aproveitar a vida ao lado de uma pessoa que você gosta de estar junto, que você ama a presença. Isso é amor. Aceitar essa presença na sua vida e se perguntar quando ficar irritado com alguma atitude, como seria sem essa pessoa? Perder alguém, faz tudo ser visto por outro ângulo, talvez um dia sem a bagunça, sem o  perfume, sem o sapato que fica pelo chão, vá fazer falta. Para que perder o tempo de amar com brigas? O amor não sabe esperar e vemos isso em toda a natureza. Tanto medo da palavra dependência, mas de verdade todos dependemos uns dos outros. Nos ciclos da vida, na natureza, todos dependem uns dos outros a sabedoria de saber aproveitar e não ficar o tempo todo impondo a sua vontade. Aproveitar a vida e namorar depende de cuidar dos elos subjetivos, os fios que alimentam nossa essência  e de gostar muito da presença de alguém mesmo das coisas que ela deixa bagunçadas dentro e fora do nosso coração.